Blog


Transtorno bipolar – Tudo o que você precisa saber

Publicado em: 14/03/2021


O que é o Transtorno Bipolar?

Transtorno bipolar é uma condição mental marcada por mudanças extremas de humor.

Os sintomas podem incluir um estado de humor extremamente elevado, chamado mania, que pode durar vários dias ou algumas semanas. E, em oposição a este, ocorrem os estados de depressão, que duram pelo menos duas semanas.

Pessoas com transtorno bipolar podem ter problema em gerenciar suas atividades diárias no trabalho, na escola ou nos relacionamentos.

Não há uma cura para esse transtorno, mas existem muitas opções de tratamento que podem aliviar os sintomas.

 

 

Sintomas do Transtorno Bipolar

Existem três sintomas principais que ocorrem com o transtorno bipolar: mania, hipomania e depressão.

Durante um episódio de mania, a pessoa pode sentir um pico emocional. A características mais comuns nesse estado são euforia, impulsividade e excitação. Comportamentos comuns durante a mania incluem:

  • Gasto impulsivo de dinheiro;
  • Sexo sem proteção;
  • Uso de drogas.

A hipomania é outro estado associado ao transtorno bipolar. Possui características muito semelhantes às da mania, porém em uma intensidade menor.

Diferente da mania, a hipomania pode não causar problemas na escola, no trabalho ou nos relacionamentos pessoais. Ainda assim, ocorrem mudanças perceptíveis no comportamento.

Durante os episódios de depressão, os sintomas incluem:

  • Tristeza profunda;
  • Desesperança;
  • Perda de energia;
  • Falta de interesse nas atividades preferidas;
  • Períodos de sono insuficiente ou excessivo;
  • Pensamentos suicidas.

Embora não seja uma doença rara, o transtorno bipolar pode ser difícil de diagnosticar devido a diversidade dos sintomas.

 

 

Tipos de Transtorno Bipolar

Existem três tipos principais de transtorno bipolar: tipo 1, tipo 2 e ciclotímico.

 

Transtorno bipolar tipo 1

O tipo é caracterizado pela presença de pelo menos um episódio maníaco. Esse episódio pode ser sucedido por um estado de hipomania ou de depressão profunda. O tipo 1 afeta homens e mulheres em igual proporção.

 

Transtorno bipolar tipo 2

Pessoas com esse tipo de transtorno bipolar apresentam episódios depressivos que duram não menos que duas semanas. Elas também apresentam pelo menos um episódio hipomaníaco que dura em torno de quatro dias. Esse tipo é mais comum em mulheres.

 

Transtorno ciclotímico

Nesse caso, ocorrem estados tanto de hipomania quanto de depressão. Os episódios são mais curtos e menos severos que nos tipos 1 e 2. Pessoas com transtorno ciclotímico experimentam apenas um ou dois meses de humor estável durante cada ciclo.

 

 

Sintomas do Transtorno Bipolar em mulheres

Homens e mulheres são diagnosticados com transtorno bipolar em números semelhantes. Entretanto, os sintomas mais proeminentes do transtorno podem ser diferentes em cada um dos sexos.

Em muitos casos, uma mulher com essa condição pode:

  • Ser diagnosticada mais tarde na vida. Por volta dos 20 ou 30 anos;
  • Apresentar episódios mais suaves de mania;
  • Apresentar mais episódios depressivos que maníacos;
  • Apresentar quatro ou mais episódios de mania e depressão em um ano, o que é conhecido como ciclagem rápida;
  • Sofrer de outras condições ao mesmo tempo como: doença na tireoide, obesidade, transtorno de ansiedade e enxaquecas;
  • Possuir um risco maior de transtorno de consumo de álcool.

Mulheres com transtorno bipolar podem sofrer com recaídas mais frequentemente. Uma hipótese é que isso é causado pelas mudanças hormonais que acompanham a menstruação, gravidez ou menopausa.

Se você é mulher e acredita que pode ter transtorno bipolar, monitore os sintomas de perto.

 

 

Sintomas do Transtorno Bipolar em homens

As características mais comuns desse transtorno em homens incluem:

  • Receber o diagnóstico mais cedo na vida;
  • Apresentar episódios mais severos, principalmente de episódios maníacos;
  • Sofrer com abuso de substâncias;
  • Tomar ações mais impulsivas durante os episódios maníacos.

Homens com transtorno bipolar (e de maneira geral) têm mais dificuldade em buscar ajuda médica por conta própria. A probabilidade de morrer por suicídio também é maior.

 

 

Transtorno bipolar em crianças

O diagnóstico do transtorno bipolar em crianças é tópico de discussões. O principal motivo envolve o fato de crianças não apresentarem os mesmos sintomas de transtorno bipolar que os adultos.

O comportamento e o humor também podem não seguir os mesmos padrões que os médicos usam para diagnosticar adultos.

Muitos dos sintomas do transtorno bipolar em crianças também se confundem com os sintomas de outros transtornos que podem acontecer na infância, como o Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH).

Entretanto, nas últimas décadas, médicos e profissionais de saúde mental passaram a reconhecer o transtorno em crianças.

O diagnóstico ajudará a criança a conseguir tratamento. Porém concluir esse diagnóstico pode levar semanas ou meses. Sua criança pode precisar de cuidado especial de um profissional treinado para lidar com crianças com condições mentais.

Assim como os adultos, crianças com transtorno bipolar apresentam episódios de humor elevado. Esses episódios são então sucedidos pela depressão.

Todas as crianças passam por mudanças de humor, no caso do transtorno bipolar, porém, a diferença é muito mais perceptível e extrema.

 

Episódios maníacos em crianças

Os sintomas da mania em uma criança com transtorno bipolar incluem:

  • Agir de maneira boba e se sentir extremamente feliz;
  • Falar muito depressa ou mudar de assunto rapidamente;
  • Apresentar problemas de foco e concentração;
  • Fazer coisas perigosas ou apresentar comportamentos arriscados;
  • Ser impaciente e passar por explosões de raiva com facilidade;
  • Ter problemas para dormir ou não sentir cansaço após ficar sem dormir.

 

Episódios depressivos em crianças

  • Se lamentar ou manifestar muita tristeza;
  • Dormir muito pouco ou em excesso;
  • Ter pouca energia para as atividades normais ou não se interessar em nada;
  • Reclamar sobre não se sentir bem, incluindo dores de cabeça e de barriga;
  • Sentir-se culpada ou inútil;
  • Comer em excesso ou muito pouco;
  • Pensar na morte ou suicídio.

 

É importante lembrar que esses mesmos sintomas também aparecem em outros transtornos, como o TDAH.

Monitore eles com cuidado e converse com um profissional especializado para receber uma avaliação mais precisa sobre o quadro da sua criança.

 

 

Transtorno Bipolar em adolescentes

Testemunhar um comportamento motivado pela raiva não é novidade para o pai do adolescente médio. As transformações hormonais, além das mudanças de vida trazidas pela puberdade, podem fazer até o mais bem comportado dos adolescentes ficar irritadiço ou muito emotivo.

Entretanto, algumas das mudanças de humor podem ter um motivo mais sério, como o transtorno bipolar.

O diagnóstico de transtorno bipolar é mais comum durante a adolescência ou nos primeiros anos da vida adulta. Os sintomas mais comuns de um episódio maníaco em um adolescente incluem:

  • Estar extremamente feliz;
  • Se comportar mal;
  • Adotar comportamentos arriscados;
  • Abuso de substâncias;
  • Pensar em sexo mais que o normal;
  • Comportamento sexual exagerado;
  • Ter dificuldade para dormir, mas não mostrar sinais de fadiga ou cansaço;
  • Se irritar com muita facilidade;
  • Dificuldade em se manter focado.

No caso dos episódios maníacos, os sintomas incluem:

  • Dormir demais ou de menos;
  • Comer demais ou de menos;
  • Sentir muita tristeza e mostrar pouco ânimo;
  • Se abster das atividades e dos amigos;
  • Pensar sobre morte e suicídio;

Diagnosticar e tratar o transtorno bipolar ajudará o adolescente a ser mais produtivo e viver com mais qualidade e de maneira saudável.

Se você é responsável ou conhece algum adolescente, não deixe de acompanhar seu comportamento.

 

 

Transtorno bipolar e depressão

O transtorno bipolar pode ter dois extremos: ‘pra cima’ e ‘pra baixo’. Para ser diagnosticado com o transtorno, você deve passar por um período de mania ou hipomania – fase em que as pessoas geralmente se sentem ‘pra cima’. Quando está nesse estado, você se sente energizado e se anima com facilidade.

Algumas pessoas com transtorno bipolar também experimentarão um episódio depressivo maior ou um humor ‘pra baixo’. Nesse estado você se sente letárgico, desmotivado ou triste.

Entretanto, nem todas as pessoas com transtorno bipolar e que têm esse sintoma se sentem ‘pra baixo’ o suficiente para serem classificadas como depressivas. Por exemplo: em alguns casos, quando a mania é tratada, um humor normal pode parecer depressão quando comparado com o ‘pico’ emocional que a mania causou.

Enquanto o transtorno bipolar pode fazer você se sentir deprimido, isso não é o mesmo que o transtorno chamado depressão. Enquanto o transtorno bipolar causa altos e baixos, a depressão gera estados de humor que são sempre ‘baixos’.

 

 

Causas do transtorno bipolar

Embora o transtorno bipolar seja uma doença relativamente comum, ela ainda não foi completamente compreendida pelos profissionais da saúde mental. Ainda não está claro o que faz algumas pessoas desenvolverem a condição e outras, não.

Algumas causas possíveis são:

 

Genética

Se um de seus pais ou irmãos possui transtorno bipolar, você tem uma probabilidade maior de desenvolver a doença. Vale dizer, porém, que a maioria das pessoas com parentes bipolares não possui a doença.

 

Seu cérebro

Sua estrutura cerebral pode influenciar na sua predisposição à doença. Anormalidades na estrutura ou nas funções do seu cérebro podem aumentar o risco.

 

Fatores ambientais

Não só o que está no seu corpo que pode aumentar a probabilidade de você desenvolver transtorno bipolar – fatores externos também podem contribuir. Entre eles é possível citar:

  • Estresse extremo;
  • Experiências traumáticas;
  • Doenças físicas.

Cada um desses fatores pode influenciar no surgimento do transtorno bipolar. O que é mais provável, porém, é que uma combinação de fatores contribua para o surgimento da doença.

Veja a seguir o que você precisa saber sobre as possíveis causas do transtorno bipolar.

 

 

O transtorno bipolar é hereditário?

O transtorno bipolar pode ser passado de pai para filho. Pesquisadores encontraram uma forte ligação genética entre portadores da doença.

Se você tem um parente com a condição, suas chances de também desenvolvê-la são de quatro a seis vezes maior em relação a uma pessoa que não tem histórico da doença na família.

Porém, isso não significa que todos que tem parentes com a doença também irão tê-la. Da mesma forma, algumas das pessoas diagnosticadas com transtorno bipolar não têm histórico familiar da doença.

 

 

Diagnóstico do transtorno bipolar

Um diagnóstico de transtorno bipolar tipo 1 envolve pelo menos um episódio de mania ou episódio misto (mania e depressão). Também pode incluir um episódio depressivo maior, mas também pode não incluir.

Para o tipo 2, o diagnóstico envolve pelo menos um episódio depressivo maior e pelo menos um episódio de hipomania.

Para ser diagnosticado com um episódio maníaco, você deve apresentar sintomas que persistem por pelo menos uma semana ou que o levam a ser hospitalizado. Os sintomas devem estar presentes todo dia, o dia praticamente todo. Os episódios depressivos maiores, por outro lado, devem durar pelo menos duas semanas.

O transtorno bipolar pode ser difícil de diagnosticar porque as mudanças de humor podem variar. Em crianças e adolescentes é ainda mais difícil, devido à instabilidade emocional que é natural nessas idades.

O transtorno bipolar tem a tendência de piorar se permanecer sem tratamento. Os episódios podem se tornar mais intensos ou acontecer com mais frequência.

Se você receber tratamento para seu transtorno bipolar, porém, é possível levar uma vida saudável e produtiva. Portanto, o diagnóstico é muito importante.

Veja agora como o transtorno bipolar é diagnosticado.

 

 

Teste de sintomas do transtorno bipolar

Um único resultado não é o suficiente para definir um diagnóstico de transtorno bipolar. O médico responsável pelo diagnóstico provavelmente usará diversos testes e exames. Entre eles podemos citar:

Exame físico: Seu médico vai fazer um exame físico completo. Ele também pode pedir exames de sangue ou urina para descartar outras origens para os sintomas.

Avaliação da saúde mental: Seu médico pode encaminhá-lo a um profissional da saúde mental como um psicólogo ou psiquiatra. Esses profissionais diagnosticam e tratam condições mentais como o transtorno bipolar. Durante a consulta eles avaliarão sua saúde mental e procurarão por sinais de transtorno bipolar;

Diário de humor: Se seu médico suspeita que suas mudanças de humor são causadas pelo transtorno bipolar, ele pode pedir que você documente suas mudanças de humor.

A maneira mais fácil de fazer isso é mantendo um diário sobre o que você está sentindo e por quanto tempo esses sentimentos duram. Seu médico também pode pedir que você registre seus padrões de alimentação e sono.

Além desses métodos, seu médico pode usar alguns outros para diagnosticar o transtorno bipolar.

 

 

Tratamentos para o transtorno bipolar

Vários tratamentos que podem ajudar com o transtorno bipolar. Entre eles: medicação, terapia e mudanças no estilo de vida. Alguns remédios naturais também podem ser úteis.

 

Medicamentos

Medicamentos recomendados incluem:

  • Estabilizadores de humor;
  • Antipsicóticos;
  • Antidepressivos-antipsicóticos;

 

Psicoterapia

Algumas abordagens recomendadas incluem:

Terapia cognitivo Comportamental (TCC): Na TCC, você e um terapeuta discutem maneiras de lidar com seu transtorno bipolar. O profissional lhe ajudará a entender seus padrões de pensamento. Ele também pode oferecer estratégias para lidar com o transtorno de maneira positiva.

Psicoeducação: Essa é uma abordagem terapêutica que ajuda você e as pessoas próximas a entender o transtorno. Saber mais sobre essa condição ajudará você e os outros a lidarem melhor com os sintomas.

 

Mudanças no estilo de vida

Alguns passos simples e que ajudarão a melhorar sua qualidade de vida rapidamente estão facilmente ao seu alcance:

  • Manter uma rotina de sono e alimentação;
  • Aprender a reconhecer mudanças de humor;
  • Pedir a um amigo ou parente que apoie seus planos de tratamento.

 

 

Transtorno bipolar e os relacionamentos

Quando se trata de gerir seus relacionamentos sendo bipolar, ser honesto é a melhor opção. O transtorno bipolar pode impactar qualquer relacionamento na sua vida, talvez com particular intensidade os relacionamentos românticos. Portanto é importante ser aberto sobre sua condição.

Não existe momento certo ou errado para contar a alguém sobre sua bipolaridade. Seja honesto e aberto quando você sentir que está pronto.

Considere compartilhar esses fatos para ajudar a outra pessoa a entender sua situação:

  • Quando você foi diagnosticado;
  • O que esperar durante suas fases depressivas;
  • O que esperar durante suas fases maníacas;
  • Como você costuma tratar seus humores;
  • Como a pessoa pode ser útil para você;

Uma das melhores maneiras de apoiar um relacionamento e fazê-lo bem sucedido é ater-se ao tratamento, já que ele ajuda a diminuir os sintomas e minimiza a intensidade das mudanças de humor.

Com esses aspectos da doença sob controle, você tem mais liberdade para focar no seu relacionamento.

 

Artigo traduzido e adpatado pela PsyMeet. Artigo original: Everything You Need to Know About Bipolar Disorder



Por: João Vitor dos Santos

Estudante de Engenharia Mecânica, através da convivência na universidade se conscientizou da importância do bem-estar mental. Para promover e acessibilizar os cuidados com a mente, cofundou a PsyMeet. Convencido da importância da saúde mental para uma vida feliz, está sempre lendo, assistindo e ouvindo sobre o tema. Instagram @dosantosjv

Voltar Blog

Faça sua terapia online


Começar agora

Categorias - Blog

Ansiedade(3)
Autoestima(1)
Câncer(2)
Coronavírus(2)
Depressão(1)
Empreendedorismo e Saúde Mental(1)
Gratidão(1)
HIV(1)
Luto(1)
Mindfulness(1)
Música(1)
Neuropsicologia(1)
PsyMeet(1)
Relacionamentos(1)
Saúde Mental(4)
Saúde Mental Masculina(1)
Setembro Amarelo(1)
Solidão(1)
Suicídio(2)
TDAH(3)


Ver Todos